Paralimpíadas Rio 2016 – Natação

A natação faz parte dos Jogos Paralímpicos desde Roma 1960, a primeira edição do evento. No início apenas atletas com lesões modulares poderiam participar das disputas, mas com o tempo o esporte foi se estendendo a outras categorias de deficiência, tanto físicas quanto visuais e intelectuais.

Nas Paralimpíadas, é permitido o uso de próteses em diversas modalidades, menos na natação. Na natação, o uso de próteses é proibido e os competidores só podem usar o próprio corpo ao entrar na piscina, mas existem algumas adaptações nas regras da Federação Internacional de Natação (Fina) para as disputas paralímpicas. Os atletas podem largar de dentro da água, sentados ou ao lado do bloco de partida, auxílio técnico para a largada, auxílio de tapper (pessoa com bastão de ponta de espuma, que avisa sobre o movimento de virada e chegada) para deficientes visuais, dentre algumas outras, que dependerão da deficiência de cada atleta.
A natação é a segunda modalidade que mais rendeu medalhas ao Brasil ao longo dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, ficando atrás apenas do atletismo. E nas Paralimpíadas Rio 2016, a modalidade não fez feio, rendendo ao Brasil 19 medalhas. Dentre elas 4 medalhas de ouro, 7 medalhas de prata e 8 medalhas de bronze.
O destaque da Paralimpíadas Rio 2016 foi para o atleta brasileiro Daniel de Faria Dias, que destas 19 medalhas, conquistou 9 medalhas, sendo 4 medalhas de ouro, 3 medalhas de prata e 2 medalhas de bronze. Com um total de 24 medalhas nas últimas três Paralimpíadas (Pequim 2008, Londres 2012 e Rio 2016) o atleta ganhou a marca de maior nadador paralímpico da história.


Daniel nasceu com uma má formação congênita dos membros superiores e perna direita. Apaixonado por esportes, após o pai assistir a uma palestra do fundador da Associação Desportiva para Deficientes, Steven Dubner, Daniel começou a nadar e não parou mais. Foi considerado duas vezes o melhor atleta paralímpico do mundo pelo prêmio Laureus.
Na competição das Paralimpíadas Rio 2016 não teve atleta melhor que Daniel Dias. Um esforço compensado após uma temporada de três semanas em Serra Nevada, na Espanha, para aprimorar seu treinamento. O Brasil vibrou junto deste atleta que conquistou todos nós com sua garra e força de vontade.
Os Jogos Paralímpicos servem para nos mostrar que nenhuma deficiência consegue deixar uma pessoa incapacitada, se esta tiver força de vontade e encarar seus desafios de cabeça erguida. Qualquer pessoa, independente de deficiência física ou não, é capaz de realizar seus sonhos. Basta se focar nos pontos positivos e treinar, treinar muito.


Nós, da PiscinasPlanalto queremos agradecer à todos os atletas Olímpicos e Paralímpicos por nos passar a mensagem de que é possível se superar, independente das dificuldades que a vida nos proporciona.

Faça parte você também de algum esporte. Faz bem pra saúde. Faz bem pra mente. Conheça nossos serviços em nosso site www.piscinasplanalto.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário